Em 14 edições da Quadrienal de Praga, desde 1967, o Brasil sempre teve uma participação importante como representante da América do Sul.  Apenas uma vez não participou, em 1983. Foram 13 participações nas quais obteve várias premiações; conquistou duas Trigas de Ouro – a consagração máxima do evento.

 

 

1957-1973 Após 10 anos de existência da Bienal das Artes Plásticas do Teatro (BIT), que acontecia bienalmente durante a Bienal de São Paulo, no Brasil, os governos brasileiro e tcheco fazem um acordo para que a exposição de cenografia passe a acontecer de forma intercalada entre os dois países. É o nascimento da Quadrienal de Praga (PQ). 

 

1967  Com a participação de 20 países, o Brasil leva uma exposição do premiado com Medalha de Ouro pelo conjunto dos trabalhos na BIT 1965: Flávio Império, com cenografias e figurinos para o TBC, Teatro de Arena e Oficina. Na Mostra de Arquitetura, a exposição brasileira apresenta seis projetos, de 15 arquitetos cênicos, e leva a Medalha de Ouro para o Projeto para Teatro Municipal de Campinas por Fabio Penteado, Alfredo S. Paesani e Teru Tamaki, com parte técnica de Aldo Calvo, na Mostra que teve a participação de dez países. Como parte do Júri da PQ, a brasileira Beatriz Veiga, coordenadora no Teatro Nacional do Brasil, ao lado de Josef Svoboda, Ladislav Vychodil, entre outros importantes representantes internacionais.

Comissário Geral Brasileiro: Agostinho Olavo-Rodrigues (Dramaturgo, crítico teatral e ator. Diretor do Instituto Brasileiro de Educação, Ciência e Cultura e Representante da UNESCO)

 

 

1971 Medalha de ouro na categoria cenografia para Hélio Eichbauer;

 

 

1975

 

1979

 

1983

 

1987

 

1991

 

1995  Prêmio máximo: Triga de Ouro – pelo conjunto dos trabalhos apresentados na Mostra de Países e Regiões, por: Daniela Thomas, J. C. Serroni e José de Anchieta;

 

 

1999  Medalha de ouro na categoria Arquitetura Cênica, pelo conjunto dos projetos, com destaque para o Teatro Oficina, de Lina Bo Bardi e Edson Elito;

 

 

2003 Além das Mostras Países e Regiões, Escolas e Arquitetura, o Brasil participa da primeira edição da Scenofest, tendo destaque para a participação da Unicamp – Universidade de Campinas, com trabalhos coordenados por Heloísa Cardoso e Márcio Tadeu para o segmento “LEAR - Critiques”;

Curador Geral Brasileiro: J. C. Serroni


2007  A representação brasileira passa a ser composta por um grupo de curadores e colaboradores, tendo como curador geral: Antônio Grassi e apresenta como tema a obra do autor Nelson Rodrigues, que pauta as Mostras Países e Regiões e das Escolas, coordenadas respectivamente por: Ronald Teixeira e Lídia Kosovski; Na mostra Arquitetuta cênica, coordenada por Robson Jorge, destaque para o Centenário de Oscar Niemeyer. O cenógrafo brasileiro J. C. Serroni fez parte dos Jurados da Quadrienal de Praga,

Curador Geral Brasileiro: Antonio Grassi

 

2011 A curadoria brasileira foi realizada por um coletivo que realizou um trabalho colaborativo inédito pelo tamanho envolvimento de tantos profissionais. Ocupando diversas funções, a equipe convidou Antonio Grassi para a Curadoria Geral, levando o Brasil a ganhar o prêmio máximo do evento pela segunda vez: a Triga de Ouro, pela exposição da Mostra de Países e Regiões "Personagens e Fronteiras: Território Cenográfico", que teve co-curadoria de Aby Cohen e Ronald Teixeira. O Brasil também ganhou uma Medalha de Ouro para o espetáculo BR3, do Teatro da Vertigem, na categoria Melhor Realiização de Produção. Na Mostra dos Estudantes, Fausto Viana e Adriana Vaz Ramos foram os curadores do espaço composto por X maquetes de X escolas/universidades, de X estados. O país ainda teve duas importantes representações: Figurinos de quatro artistas selecionados, entre 29, para a mostra Extreme Costume, com curadoria no Brasil por Rosane Muniz; e na Mostra de Arquitetura, o Teatro Oficina, por Lina Bo Bardi e Lino...

Curador Geral Brasileiro: Antonio Grassi

 

2015 Em reunião aberta na Funarte São Pauloostra Nacional A cenógrafa Aby Cohen integrou a equipe artística da PQ na seção .

Curador Geral Brasileiro: Ronald Teixeira

 

2019

Curadora Geral Brasileira: Aby Cohen

 

 

 

Fonte: ROCHA, Rosane Muniz. (Tese) Um Panoraman  do Traje Teatral Brasileiro na Quadrienal de Praga (1967-2015). São Paulo: ECA-USP, 2016. 2 vol. 591p.