PQ2023

MOSTRA dos PAÍSES e REGIÕES

 

 

 

 

NÚCLEO CURATORIAL MOSTRA PAÍSES E REGIÕES

 

Arianne Vitale

Bia Junqueira

Elaine Nascimento

Giorgia Massetani

Karina Machado

Leônidas Soares

Lui Cobra

Marcela Mancino

Marieta Spada

Rafael Bicudo

Renato Bolelli Rebouças

Rosane Muniz

Sergio Lessa

Stéphanie Fretin

 

CÉLULAS DE TRABALHO

(em fluxo constante)

Ana Hoffmann

Heloisa Lyra Bulcão

Ianara Elisa

Livia Loureiro

Lu Bueno

Michelle Augusto

Nadia Luciani

Renata Marques

Ricardo Malveira

Rodrigo Frota

 
 
CORPO BRASILEIRO / PQBRASIL 2023

Os artistas abaixo compõem o Corpo Brasileiro que representa o Brasil na Quadrienal de Praga 2023, o maior festival internacional dedicado às espacialidades, visualidades e sonoridades da cena. 

 

 

NÚCLEO CURATORIAL MOSTRA DOS PAÍSES E REGIÕES

 

 

 

Arianne Vitale (Campinas / SP)

Artista, figurinista, arquiteta de cenas, professora e pesquisadora que atua em diferentes áreas das Artes cênicas e visuais. É doutoranda pelo Laboratório de Práticas Performativas (PPGAC/USP). Criadora, cenógrafa e figurinista para teatro e performance, em peças de diretores como Frank Castorf, Teatro da Vertigem, Teatro de Narradores, Eugenio Lima, entre outros, em São Paulo e Berlim, onde viveu por 7 anos. Participa na criação e produção de projetos e eventos culturais, curadorias, ações urbanas performativas e ministra workshops e cursos livres, além de ser professora em duas Faculdades na área de Cenografia e Figurino, Design de moda e Eventos. Dentre seus projetos de destaque estão “Encontros com a Arte Contemporânea” (2017-atual) e “Figurino em Ação” (2016-atual). https://ariannevitale.blog 

 

 

Bia Junqueira (Rio de Janeiro / RJ e São Paulo / SP)

Artista interdisciplinar, diretora de arte, cenógrafa, curadora, consultora, professora, diretora artística, com mais de 30 anos de experiência no âmbito nacional e internacional. Viveu 11 anos na França, onde atuou no teatro, cinema, artes visuais e em design de exposições. Em Paris, fez residência com Patrice Chéreau e foi selecionada para um processo de trabalho com Tadeuz Kantor. Assistiu  Joseph Svoboda  na criação da Tetralogia de Wagner. Trabalhou na Ópera de Paris e com importantes diretores do teatro europeu como Jorge Lavelli, Roger Planchon, e Bernard Sobel. Desde seu retorno, vem recebendo indicações e prêmios no âmbito teatral e cinematográfico. Em 2016, recebeu pela APTR e pelo Prêmio Cesgranrio de Teatro um prêmio pelo conjunto das obras realizadas neste ano e, em 2020, pelo espetáculo “Eu, Moby Dick”. Uma das artistas com obras expostas na PQ’15 e na PQ’19. Lecionou na École Supérieure du Spectacle-Paris, coordenou curso na Fundação Getúlio Vargas e ministrou cursos na Funarte, SP Escola de Teatro, Academia Internacional de Cinema (AIC) e na Escola Britânica de Artes Criativas (EBAC). Palestrou no Fórum Cultural Mundial 2004, e em fóruns nacionais e internacionais de curadoria e espaços de criação. Jurada do Prêmio Shell de Teatro de 2013 a 2019. Curadora no festival online riofestiv.al, criadora, diretora-geral e curadora do riocenacontemporanea e atualmente do TEMPO_FESTIVAL.

 

 

Elaine Nascimento (Fortaleza / CE e Santa Catarina / SC)

Cenógrafa, artista da cena e professora no Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestra em em Artes Cênicas pelo (PPGT/UFBA) e em Arquitetura e Urbanismo (PosArq/UFSC), onde é Doutoranda e desenvolve pesquisa prático-teórica relacionada ao estudo das urbgrafias: cartografias de ações cênicas no espaço urbano. Foi professora do percurso de cenografia da Escola Porto Iracema das Artes (CE) e do curso de Design da Faculdade Fanor Devry (CE). Trabalha com expografia e cenografia, e foi premiada na categoria de melhor cenário no prêmio Destaques do Ano (2009) e indicada pela mesma categoria em 2010, em Fortaleza (CE).

 

 

Giorgia Massetani (São Paulo / SP e Manaus / AM)

Cenógrafa e figurinista Graduada em Cenografia pela Academia di Belle Arti di Firenze, especializando-se em Técnicas Plásticas para Cenografia Teatral. Iniciou sua carreira como cenógrafa em festivais de teatro como Mercantia, Festival em Certaldo, e ABC Festival, Campiglia Marittima, Itália. Com ópera, no Maggio Musicale Fiorentino e no Festival Pucciniano de Torre del Lago. Em 2012, participou pela primeira vez do Festival Amazonas de Ópera (FAO), em Manaus, como assistente de cenografia na ópera "Lulu". Desde então, é cenógrafa residente do FAO. Vivendo em São Paulo desde 2011, criou cenários e pinturas cenográficas para peças teatrais, incluindo infantis. Cenógrafa residente e responsável pela central técnica de produção do Theatro São Pedro (2014-2017), assinando cenários, figurinos e direções cênicas em óperas como: "Vulcão Azul", "Acis e Galatea", "Alma", "Maria Stuarda", "Mater Dolorosa". Como ilustradora, colabora regularmente para revistas como Piauí e Le Monde Diplomatique Brasil. Em 2021, foi cenógrafa, diretora de arte e ilustradora da primeira ópera animada "O Corvo" e das óperas 'Três Minutos de Sol" e "Moto-Continuo". Sócia fundadora da Casa Malagueta Serviços de Cenotecnia e Cenografia e artista convidada da SP Escola de Teatro como formadora em pintura cenográfica no curso de Técnicas de Palco.

 

 

Karina Machado (São Paulo / SP)

Artista cênica e visual, diretora de arte, empresária e advogada. Com um corpo de estudos e criações que permeia múltiplas expressões (fotográfica, escultórica, performática, instalativa, da escrita, do desenho e da gravura), participou de exposições de arte no Brasil, na Alemanha, Itália e Suíça. Desenvolveu projetos cenográficos para espetáculos de dança, ópera e teatro. Assinou o desenho de exposições de arte e de design contemporâneo. Foi a idealizadora do Coletivo Casa Goia (@casa_goia) e do estúdio de criação Palavrapalco (@palavrapalco), que nasceu com o propósito de transformar qualquer espaço, físico ou virtual, em um palco de confluência e conexões entre espectadores e criações, sejam elas artísticas, literárias ou do design. Integra a equipe do Centro Cultural Veras (@centroculturalveras) e é administradora do estúdio FC Artes e Eventos Culturais (@fiammetta.cavalleri.events), que produz conteúdos artísticos e culturais para eventos que acontecem no Brasil e na Itália. www.karinamachado.art.br 

 

 

Leônidas Soares (Porto Alegre / RS)

Doutor em Belas Artes/Design Cenográfico pela Universidad Complutense de Madrid (2016). Graduado em Design Gráfico e em Design de Produto pela Ulbra e mestre em Ergonomia/Usabilidade de Interfaces Digitais (PPGEP/UFRGS). Foi professor na Unisinos, Feevale, Senac e Centro Tecnológico Parobé. Atualmente é professor da graduação em design do Departamento de Design e Expressão Gráfica (DEG/UFRGS), onde organizou e é responsável pela disciplina Design Cenográfico. Integra a equipe do Laboratório de Artefatos Digitais (LAD), da Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação (UFRGS). No DEG foi responsável pelos cursos de extensão Análise Cenográfica de Audiovisuais, Oficina de Design Cenográfico: Maquiagem Cênica, Oficina de Criação de Espaço Visual Cênico, Oficina de Iluminação Cênica, Técnicas de Design Visual para Espetáculos e Referências e Concepção em Cenografia Cinematográfica. Premiado no Concurso Provincial de Teatro de Burgos/Espanha (2016) pelo melhor figurino e indicado a melhor cenário e design gráfico. 

 

 

Lui Cobra (São Paulo / SP)

Artista multidisciplinar. Professore em identificação e reciclagem comportamental pelo Método Cobra (2016-atual). É Diretore de Arte pela produtora Malí de videografia, pela qual dirigiu a arte do curta metragem #PRÓPIRANHA, de Isamara Castilho (2021). Pelo coletivo Bixxo Da Cena, núcleo de pesquisa em circo expandido, é performer, produtore e co-criadore (2018-atual). No início de 2021 fez a captação do curta “IRETI” e a cenografia e cenotécnica da peça de mesmo nome, para o grupo de teatro Cia do Despejo. Se especializou em Cenografia (2020), pela Escola Britânica de Artes Criativas (EBAC). Atuou no laboratório de símbolos políticos com a boliviana Maria Galindo, pela 7° MIT de São Paulo (2020). Também integrou o time brasileiro na 14° Quadrienal de Praga: Espaço e Desenho da Cena, como artista colaborador e performer.

 

 

Marcela Mancino (Curitiba / PR)

Artista cênica multimídia, e tecnologista criativa. Bacharela em Artes Cênicas pela Faculdade de Artes do Paraná (UNESPAR-FAP), Especialista em Artes Híbridas pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), e Mestra em Telecomunicações Interativas pela Universidade de Nova Iorque (NYU). Expôs seu trabalho como iluminadora e designer de projeções na Bienal Internacional de Pequim - Intercâmbio Internacional de Trabalhos Estudantis em Design Cênico (2014) e na Quadrienal de Praga 2015. Seu último trabalho, o duo de performances audiovisuais Âmago || Superfície foi apresentado em diversos eventos nos Estados Unidos da América e no Brasil, e também na Quadrienal de Praga 2019. Atualmente, desenvolve plataformas digitais de relevância artística e/ou cultural, como a ParanáFlix — acervo colaborativo de cinema produzido no Paraná, a Autobiografia de todas nós — espaço de escuta e construção da memória das mulheres iluminadoras da cidade de Curitiba, e a versão digital da videoinstalação About Academia, do artista catalão Antoni Muntadas.

 

 

Marieta Spada (Rio de Janeiro / RJ)

Cenógrafa e Figurinista, graduada em Cenografia (2008) na Escola de Teatro da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Com o grande cenógrafo Helio Eichbauer trabalhou em exposições renomadas como "Fernando Pessoa, Plural", "Universo" (Museu da Língua Portuguesa) e "Sambrá, o Musical". Além de ter assinado cenário e figurino de diversas produções de teatro como "Entregue seu Coração no Recuo da Bateria", "Noviças Rebeldes", "Santa Maria do Circo", "Funk Brasil - 40 anos de baile", "Saia". Atuou como figurinista assistente em "O Frenético Dancin`Days", direção de Deborah Colker, e como figurinista em "Ao redor da mesa, com Clarice Lispector", direção de Fernando Philbert. Cenógrafa assistente na comissão de frente da Mangueira (Carnaval 2020). Co-criadora do canal "Cenogravando", composto por conteúdo sobre cenografia, desenvolvido durante a pandemia com a cenógrafa Natália Lana.

 

 

Rafael Bicudo (Pindamonhangaba / SP)

Diretor de cena, curador, figurinista, diretor de arte, professor e pesquisador. Mestre em artes (ECA/USP), se dedica a iniciativas de pesquisa e formação na área de técnicas de palco, investiga direção de cena em teatro – profissão que desempenhou em produções nacionais e internacionais com encenação de André Guerreiro Lopes, Antônio Araújo, José Celso Martinez Corrêa, Robert Wilson e Steven Wasson. Diretor artístico do projeto “Marcas da Infância” (Prêmio Betinho 2018 e 2020); educador de figurino e cenografia nas Fábricas de Cultura (2014-19); artista-orientador na SP Escola de Teatro (2015-18); tem experiências como palestrante, oficineiro, professor convidado (cursos livres e de ensino superior), curador e membro de comissões (exposições, editais, concursos e festivais de teatro). Responsável pela visualidade cênica de inúmeros espetáculos teatrais; atuou na pesquisa, redação e editoração dos catálogos brasileiros para a Quadrienal de Praga em 2011 e 2015. É um dos idealizadores e integrante dos projetos “Diretores de Cena Brasil”, “Papo da Coxia” e “teiabr”. Atualmente, assina a curadoria do Complexo Cultural rAMPa (Natal/RN).

 

 

Renato Bolelli Rebouças - (Cotia e São Paulo / SP)

Diretor de arte, cenógrafo, arquiteto, professor independente e pesquisador do Laboratório de Práticas Performativas (ECA/USP), no mesmo departamento onde se tornou Mestre e Doutor em Cenografia. Diretor de arte do Grupo XIX de Teatro (2004-2009). Vencedor do Prêmio Shell de Cenografia e de Projeto Visual CPT (2008). Atua em teatro, ópera, dança, performance e exposições junto a diferentes artistas e cias. como Cia. do Latão, Linhas Aéreas, grupo Espanca!, Teatro da Vertigem, Coletivo Legítima Defesa, MAPA Teatro Colômbia, Caetano Vilela, Marta Soares, Frank Castorf (Volksbühne/Berlim), Contact Theatre (Manchester). Integrante da plataforma transdisciplinar Usina da Alegria Planetária, sediada na zona rural de Cotia/SP. Artista residente do Hemispheric Institute of Performance and Politics (Nova Iorque 2019), e pesquisador no Departamento de Performance Studies (New York University). Integrante da ABRACE, OISTAT, IFTR e um dos idealizadores da teiabr. www.bolellireboucas.com 

 

 

Rosane Muniz (Rio de Janeiro / RJ e São Paulo / SP)

Artista cênica, jornalista cultural, curadora, pesquisadora, professora e figurinista. Graduada em Jornalismo, é Doutora e Mestra em Artes Cênicas (ECA/USP). Autora do livro-reportagem Vestindo os nus-o figurino em cena (Ed. Senac Rio, 2004) e editora de várias publicações, tais como Diário de Pesquisadores: Traje de Cena (2012) e os catálogos do Brasil na Quadrienal de Praga (2011 e 2015). Vice-coordenadora da Sub-Comissão de Figurino da Organização Internacional de Cenógrafos, Técnicos e Arquitetos Teatrais (OISTAT); Curadora nos times brasileiros da Quadrienal de Praga 2011 e 2015. Ministra palestras e atua como professora convidada internacionalmente. Atua como professora de figurino na pós-graduação dos cursos Cenografia e Figurino (Centro Universitário Belas Artes/SP), Direção de Arte (Centro Universitário Senac/SP) e Design Cenográfico (UFRGS); além de artista convidada da SP Escola de Teatro como formadora em Figurino, no curso de Cenografia e Figurino. Autora e criadora do canal "Vestindo a Cena" e do projeto "Designers à Beira do Abismo". Integrante da ABRACE, OISTAT, IFTR e uma das idealizadoras da teiabr.

 

 

Sergio Lessa 

Arquiteto, diretor, ator, cenógrafo e figurinista, integrante da Cia Quase Nada. Mestre e Doutor em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (ECA/USP), desenvolve pesquisas em Cenografia e Figurino Teatral, em que pesquisa o trabalho de composição cenográfica espacial de Peter Brook. Teve mestrado financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). Artista multifacetário também é programador visual, e arquiteto e urbanista formado pela Universidade de São Paulo (FAU/USP). Atualmente, é professor, assistente de coordenação no curso de Arquitetura e Urbanismo, e coordenador dos cursos de pós-graduação "Cenografia e Figurino" e "Design de Interiores" no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Responsável por orientar a montagem do cenário de "O Inimigo do Povo" e "Facetas Rodriguianas" (2019) e pela cenografia de "Matriarcado de Pindorama", da Cia Estelar (2018). 

 

 

Stéphanie Fretin (São Paulo / SP)

Arquiteta, cenógrafa e artista da dança. Graduada em Arquitetura e Urbanismo, pela Escola da Cidade (2013) e trabalha com arquitetura, cenografia teatral, expografia e dança contemporânea. Atuou como assistente de cenografia e expografia (desde 2018) e diretora de arte de "Cara Palavra" (2020), junto a André Cortez. Em parceria com a arquiteta Carmela Rocha, criou o espaço expográfico de diversas exposições no Instituto Itaú Cultural (SP) e no SESC Belenzinho (SP). Em 2019, foi coordenadora assistente do curso de cenografia da Escola Britânica de Artes Criativas (EBAC). No campo da dança, atua a partir de uma pesquisa e atuação autorais, por meio de produções independentes de espetáculos, performances e videodanças.

 

 

 

CÉLULAS DE TRABALHO

 

 

Os artistas abaixo compõem o Corpo Brasileiro que representa o Brasil na Quadrienal de Praga 2023, criando e colaborando nos trabalhos desenvolvidos em células de Trabalho:


 

Ana Hoffmann (Porto Alegre / RS)

Doutora e Mestra em Educação e Especialista em Pedagogia da Arte pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora na Universidade Feevale, onde fez seu bacharelado em Moda. Pesquisadora no grupo Arte e Moda, vinculado ao curso de História da Arte (UFRGS) e no grupo ARCOE (Arte, Corpo e Ensigno), vinculado à Pós-Graduação em Educação, linha de pesquisa Filosofias da Diferença em Educação (UFRGS). Organizadora de desfiles de moda, performer e figurinista, desenvolveu projetos de figurino junto à Casa de Teatro de Porto Alegre, cia teatral Teatro Ofídico, Produtora Cômica Cultural e projetos independentes de performance art. Líder no Comitê Cultura no grupo Mulheres do Brasil, ONG que busca estimular a participação feminina em várias frentes culturais, sociais e econômicas.

 

 

Heloisa Lyra Bulcão (Produção)

Diretora de arte, cenógrafa, figurinista, pesquisadora e professora. Pós-doc em educação (UERJ, 2013-2019), doutora em artes cênicas (UNIRIO), mestre em engenharia de produção (UFRJ). Atua na visualidade da cena desde 1982, em teatro, dança, cinema e exposições. Idealizadora e diretora do filme curta “Sidarta, em busca de si nesse mundo de nós” (2021). Foi professora na graduação em Teatro e Design (UCAM), professora visitante da Universidad de Colombia e professora e coordenadora na EAT/FAETEC e ministra palestras, oficinas e aulas (PUC-RJ, ESDI/UERJ, IARTES/UERJ, EAV). Indicada a prêmios APTR e Questão de Crítica pelo livro “Luiz Carlos Ripper para além da cenografia" (FAPERJ/DP et alii, 2014), é também autora do livro “Luiz Carlos Ripper: poesia e subversão” (FUNARTE, 2016). É parte do núcleo fundador da teiabr.


 

Ianara Elisa (Comunicação)

Experiência na área de Artes Plásticas e Cênicas, com ênfase em Cenografia, Adereços e Fotografia. Cursou Artes Plásticas (UnB) e é formada em Cenografia (UNIRIO). Estudou design de interiores (Parsons - The New School, NY). Como fotógrafa, tem trabalhos autorais artísticos e documentais, principalmente em teatro e cenografia. Realizou seus primeiros trabalhos como cenógrafa e figurinista em 2009 e depois trabalhou por cinco anos como assistente da cenógrafa, figurinista e diretora de arte Teca Fichinski, atuando em teatro, musicais, exposições, publicidade, filme documentário, série televisiva e camarote de carnaval. A partir de 2015, começou a trabalhar mais ativamente com audiovisual, principalmente como cenógrafa e assistente de direção de arte de Oswaldo Eduardo Lioi, Dina Salem Levy e Elsa Romero. Em 2016, começou a fazer parte de ocupações artísticas, com os projetos MicroTeatro, QueLegado e, em 2017, o projeto Ovárias. A partir de 2017, passou a assinar a direção de arte de curtas-metragens, destacando-se o curta A mais forte. Em 2021, segue com projetos de cine-teatro e cinema. https://ianaraelisa.wixsite.com/portfolio/cv  

 

 

Livia Loureiro (Inclusão)

Cenógrafa, professora e arquiteta. Leciona cenografia em cursos e oficinas livres de artes visuais para adultos e crianças que visam desvelar os processos de criação do desenho e do espaço. Mestre em artes visuais pela UNICAMP (2012), desenvolveu a pesquisa Flávio Império: desenho de um percurso. Trabalhou no projeto Casa Aberta para Crianças na Casa 1 e leciona cenografia na Fundação das Artes de São Caetano do Sul. É assistente de cenografia do Teatro União e Olho Vivo (TUOV), colabora com a realização de figurinos, cenografia e objetos cênicos.  Pesquisa cenografia brasileira e acompanha o trabalho de coletivos de teatro na cidade de São Paulo.

 

 

Lu Bueno (Comunicação)

Artista completa sempre em busca de aperfeiçoamento, é Doutoranda em Design (FAU/USP), Mestre em Cenografia (ECA/USP). É coordenadora na SP Escola de Teatro e faz parte do corpo docente da AIC – Academia Internacional de Cinema. Atua como professora na pós-graduação dos cursos Direção de Arte, e Cenografia e Figurino (Centro Universitário Belas Artes/SP). Cenógrafa e figurinista premiada (Shell, Pananco), trabalha há mais de 20 anos como Diretora de Arte em cinema, teatro, televisão e eventos. Sempre manteve parcerias com grupos de teatro: Cia de Ópera Seca; Circo Mínimo; Parlapatões, Patifes e Paspalhões. Foi uma das artistas escolhidas para integrar a Mostra de Países e Regiões na Quadrienal de Praga 2015. É uma das fundadoras do grupo CenografiaBrasil e uma das idealizadoras da teiabr. Hoje, além de lecionar e atuar como profissional do mercado, tem o orgulho de manter uma iniciativa sustentável e colaborativa chamada Banco de Tecido. 

 

 

Michelle Augusto (Inclusão)

Doutoranda em Belas Artes - Universidade de Lisboa, na especialidade de Ciências da Arte e do Patrimônio, Mestre em Artes Visuais - UFRJ, Graduação em Figurino (Artes Cênicas - Indumentária) - UFRJ. Complementação em Fashion Folio and Creative Techniques com Renata Estefan (formada pela CSM, atualmente designer da Hérmes). Artista visual e designer de moda e figurino, professora e pesquisadora de patrimônio e memória associados a processos criativos artísticos de moda, artes cênicas, carnaval, sustentabilidade e upcycling têxtil. Docente do curso técnico de Produção de Moda da FAETEC (2009 - atual), atuou como docente na Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2009-2010 - 2016-2018), para os cursos de artes cênicas, Colaboradora do projeto Studio Criativo, criação e desenho de moda. Atualmente realiza  investigação de patrimônio e memória com inspiração na prática artística de moda e figurino.

 

 

Nadia Luciani (Inclusão)

Designer, iluminadora e pro​​fessora universitária, graduada em Comunicação Visual - Design Gráfico (UFPR), com TCC sobre Design Teatral, mestre em teatro (CEAC/UDESC), com dissertação sobre o ensino da Iluminação Cênica. Doutora em artes cênicas (ECA/USP) com tese sobre a Performatividade da Luz e estágio de pesquisa sanduíche (PDSE - CAPES/PrInt) no Laboratório Lumière de Spectacle do CEAC (Universidade de Lille, França) sob a orientação da professora Véronique Perruchon. A carreira de quase 30 anos como iluminadora iniciou pela influência do iluminador carioca Aurélio de Simoni e teve sequência como assistente do iluminador paranaense Beto Bruel, depois do que passou a assinar seus próprios projetos de iluminação cênica. As atividades pedagógicas tiveram início no mesmo período como professora do curso de Design da UFPR e das disciplinas de cenografia e iluminação da Faculdade de Artes do Paraná, hoje UNESPAR. Atualmente, além das aulas na graduação, coordena os projetos de Extensão LABIC - Laboratório de Iluminação Cênica da FAP (2010-atual) e o Atelier de Teatro da UNESPAR/Aliança Francesa de Curitiba (2017-atual) e atua como diretora do Escritório de Relações Internacionais da Universidade. Além do trabalho desenvolvido na UNESPAR, leciona na pós-graduação em Cenografia da UTFPR e no MBA em Dança das Faculdades Inspirar.


 

Renata Marques (Produção)

Bibliotecária e advogada, com Pós-Graduação em Gestão do Conhecimento e Inteligência Empresarial pela Coppe (UFRJ). Agente de artistas plásticos e designers. Apoio na elaboração de projetos de incentivos culturais nas esferas municipal e estadual (RJ) e também federal. Contrato de uso de imagens, collabs e parcerias.

 

 

Ricardo Malveira (Inclusão)

Artista visual e da cena. Brincante Catopê no Congado de Montes Claros (MG); Professor na Universidade Federal do Tocantins UFT/Palmas no Curso de Licenciatura em Teatro; Doutor e Mestre em Artes Cênicas no Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia - PPGAC – UFBA; Graduado em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas na Universidade Estadual de Montes Claros – Unimontes; Graduando em Artes Visuais EAD  FAV/UFG. Participa do GT/ABRACE; Imagem, Mito e Cena e Poéticas Espaciais, Visuais e Sonoras; Integrante do Grupo de Pesquisa da Transver – UFT; Coordenador do Projeto Rastros: Visualidades, Imaginários e Teatralituras na Cena – UFT; e  Pós Doutorando em Artes da Cena no PPGAC Artes da Cena – EMAC - Universidade Federal de Goiais - UFG.

 

 

Rodrigo Frota (Inclusão)

Ator, professor, cenógrafo, diretor de arte e ilustrador. Rodrigo é Bacharel em Interpretação teatral pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), é Mestre e doutorando pelo PPGAC da mesma universidade. Atualmente é professor efetivo da Universidade Regional do Cariri (URCA) e líder do grupo de pesquisa VISUCCA (Visualidades da cena - Cariri). Como intérprete, atuou em mais de 20 espetáculos teatrais, tendo também integrado o elenco de 15 curtas metragens e 2 longas.  Nos últimos 14 anos criou mais de 150 cenografias para teatro, shows musicais, expografias, e espetáculos de dança. No audiovisual, assinou 8 direções de arte; “Pacarrete” e “Todas as vidas de Telma” são os últimos. Possui 8 prêmios na área da cenografia e direção de arte, incluindo prêmios nacionais e regionais.

 

 

 

NÚCLEO CURATORIAL MOSTRA DOS ESTUDANTES

 

 

Bruna Christófaro

Doutora em Artes pela Universidade de Lisboa, com ênfase em Espaço Cênico e Instalação Interativa (2021). Colaboradora do Interactive Technology Institute / Laboratory of Robotics and Engineering Systems (ITI/LARSYS). Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (2007) e Arquiteta e Urbanista pela Universidade Federal de Minas Gerais (2002). Diretora de Arte e Cenógrafa. Professora da Universidade Federal de Ouro Preto, onde leciona Cenografia e Caracterização. Atua principalmente nos seguintes temas: Direção de Arte, Instalação, Arte Interativa, Planejamento e Coordenação de Pessoal, Criação e Montagens de Cenografia. 1º Lugar na categoria Projetos Especiais - Direção de Arte e Cenografia do Programa "Dango Balango" de televisão, Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/MG); indicada ao Prêmio Shell de Teatro e ao prêmio SINPARC pela cenografia do espetáculo "Amores Surdos", do Grupo Espanca!, Menção Honrosa no Prêmio Opera Prima - "Projeto Para Um Teatro Contemporâneo", Instituto dos Arquitetos do Brasil (IAB/SP).

 

 

Ézia Neves (Belém / PA)

Arquiteta, cenógrafa e figurinista paraense. Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade da Amazônia. Doutora em Arquitetura e Urbanismo pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (2007). Docente da Escola de Teatro e Dança Universidade Federal do Pará (2004-atual), onde atua como professora no curso Técnico de Cenografia (2005-atual) e no Curso Técnico em Figurino Cênico (2010-atual), curso que criou e coordenou por sete anos. Criou cenografias e figurinos para diferentes espetáculos. Orientou a proposta de figurino da Escola de Teatro e Dança (ETDUFPA), selecionada para a Mostra dos Estudantes do Brasil, na Quadrienal de Praga, em 2007.

 

 

Fernando Marés

Cenógrafo e professor de Cenografia. Mestre em teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGT/UDESC). Desde 1980, atua profissionalmente para companhias de teatro, dança, música, cinema e instituições culturais como Centro Cultural Teatro Guaíra. Se destacam diversas companhias do Paraná e do Brasil, dentre elas: Companhia Brasileira de Teatro de Curitiba/PR. Atualmente é cenógrafo residente, na Cia. Iliadahomero de Curitiba, com estudos da obra do autor. Colaborou como cenógrafo com diversos diretores do Brasil, como Aderbal Freire Filho, Luís Carlos Ripper, Ademar Guerra, Francisco Medeiros, Felipe Hirsch. Em 2003, leva os trabalhos de seus alunos de cenografia do Ateliê de Criação Teatral (ACT), para a Mostra dos Estudantes do Brasil, na Quadrienal de Praga. Participa como artista na exposição brasileira da Mostra Países e Regiões , da Quadrienal de Praga 2015. Entre reconhecimentos de trabalho cenográfico destacam-se dois prêmios Shell de cenografia para ‘Esta criança’ e ‘Krum’, direção de Márcio Abreu.

 

 

Guilherme Bonfanti

Light Designer paulista, atua desde o final da década de 1980, tendo desenvolvido dezenas de projetos de iluminação por todo o país e exterior. É um dos fundadores do Teatro  da Vertigem junto com Antonio Araujo. Trabalhou com diversos profissionais na área do teatro, dança, música, exposições e arquitetura. Destaque para seus projetos nas  XXIII, XXIV, XXV e XXVII Bienal Internacional de São Paulo,  III  e V Bienal Internacional de Arquitetura, Mostra do Redescobrimento - Brasil 500 anos Artes Visuais. Na área da moda trabalhou em diversos eventos, com destaque para São Paulo Fashion Week e Semana da Moda. Criou e coordena o primeiro curso de iluminação regular de São Paulo, na SP Escola de Teatro (2010-atual). Tem larga experiência internacional, tendo trabalhado em diversos países da Europa, Estados Unidos e Ásia. Recebeu diversos prêmios e indicações, tais como SHELL, APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte), MAMBEMBE,  APETESP e PANAMCO.

 

 

Heloisa Cardoso

Artista Visual, seu trabalho é frequentemente direcionado ao teatro. Começou sua atividade profissional em 1973, criando objetos e projetos tridimensionais. Trabalhou com Yolanda Penteado (fundadora da Bienal de São Paulo) organizando fichários e pesquisas iconográficas. Desde 1983, participa de várias montagens cênicas como mascareira, cenógrafa e figurinista; de exposições, performances, congressos, festivais nacionais e internacionais. Recebeu prêmios e indicações em cenografia, figurino e artes gráficas. Participa da Quadrienal de Praga desde 1995, representando o Departamento de Artes Cênicas da Unicamp, na seção das Escolas. Docente do Instituto de Artes da Unicamp, desde 1986. Foi coordenadora do Curso durante cinco anos. Atualmente vem aprimorando sua poética, desenvolvendo artes pessoais como desenhos, telas, tecidos, figurinos e tintas têxteis naturais. É também artista colaboradora da SP Escola de Teatro.

 

 

Ivan Cabral

Estudante de psicanálise, ator e dramaturgo. É doutor em teatro (ECA/USP). Cofundador da Companhia “Os Satyros” de teatro. Recebeu os mais importantes prêmios do teatro Brasileiro (Shell, APCA, Governador do Estado, Aplauso Brasil, Arcanjo de Teatro, Cidadão Paulistano, entre outros). Atuou em mais de 20 países. Escreveu dezenas de textos, traduzidos para outras línguas. Deu nome a um importante teatro na cidade de Registro: o “Caixa Preta”. É também cineasta e escreve para TV e Cinema, com roteiros em parceria com Rodolfo Vasques. É um dos fundadores da SP Escola de Teatro, onde atualmente é diretor executivo.

 

 

J. C. Serroni

Cenógrafo, figurinista e arquiteto especializado em teatros. Participou de 8 edições da Quadrienal de Praga (1987-2015) e recebeu em 1995 a Golden Triga, prêmio máximo deste evento. Tem vários livros publicados na sua área de atuação. Foi integrante do CPT-Sesc por 20 anos. Fundador e coordenador do Espaço Cenográfico de São Paulo. Já realizou cerca de 200 cenografias para teatro, shows e óperas. Em sua trajetória de quase 50 anos de teatro, recebeu mais de 30 prêmios no Brasil e no exterior. É um dos fundadores da SP Escola de Teatro de São Paulo, onde atualmente coordena os cursos de Cenografia, Figurinos e Técnicas de Palco.

 

 

Luiz Fernando Lobo

Diretor, dramaturgo e ator. Fundador e Diretor Artístico da Companhia Ensaio Aberto (1992-atual) e diretor presidente do Instituto Ensaio Aberto (2008-atual). Em 2010, assumiu a Direção Geral do Armazém da Utopia, sede do grupo. Dentre os trabalhos mais importantes, dirigiu "Cemitério dos Vivos", "A Mãe", "Companheiros", "Havana Café", "Sacco e Vanzetti", "10 Dias que abalaram o mundo", "Canto Negro", "Luz nas Trevas" e "A Mandrágora".

 

 

Marcello Girotti

Cenógrafo, figurinista, iluminador, contrarregra e maquinista. Atualmente é doutorando na Universidade da Bahia (PPGAC/UFBA) e professor do Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias aplicadas, da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (CECULT/UFRB); Mestre em Artes Cênicas (ECA/USP); graduado em Arquitetura e Urbanismo (Universidade Mackenzie/SP). É membro do grupo de pesquisa sobre Tecnologias e Hibridismos na Cena (Tec_Hibris/ UFRJ). Em 2006, concluiu o curso livre do Espaço Cenográfico de São Paulo, lugar em que participou da equipe de criação do projeto ‘Brazilian Birds’, selecionado para participar da Scenofest, evento que ocorreu como parte da  Quadrienal de Praga (PQ), em 2007. Desde então, participa regularmente desse evento. Orientou obra audiovisual de cenografia, selecionada para a Mostra dos Estudantes, na PQ 2019.

 

 

Marcio Tadeu Santos Souza

Cenógrafo, figurinista, artista gráfico, ator e professor. É arquiteto (FAU-USP) e também formado em Interpretação Teatral  (EAD-USP). A partir da década de 1970 desenvolve a criação de trabalhos em cenografia e figurino para Teatro, Dança e Shows. Trabalhou como cenógrafo na TV Cultura por 3 anos. Fundou e atuou em Grupos Teatrais como: “O Pessoal do Victor”, “Luz in Tenebris” e “Teatro dos Benditos Malditos”. Recebeu os prêmios Governador do Estado, APCA, APETESP, indicação para Moliére, entre outros. Foi um dos fundadores do Departamento de Artes Cênicas e coordenador dos Laboratórios de Cenografia e Indumentária do Instituto de Artes da UNICAMP. Participou como artista convidado da Mostra de Cenografia Espaço da Cena Latino-Americana e da Seção Nacional da Quadrienal de Praga 1999. Representou a Unicamp nas Mostras das Escolas nas edições da PQ de 1995 até 2019. Atualmente colabora na UNICAMP e na SP Escola de Teatro.

 

 

Paula De Paoli

Arquiteta, cenógrafa, designer gráfico e figurinista, com pós-graduação em design de hipermídia e mestranda em Arquitetura, Urbanismo e Design. Cursou Cenografia com J.C. Serroni no CPT/ núcleo Antunes Filho e é formadora convidada da SP Escola de Teatro nos cursos de Cenografia e Técnicas de Palco, desde a criação do curso em 2011. Foi professora de Desenho de Moda na Faculdade Santa Marcelina e hoje participa de bancas de figurino, estilo e ilustração. Atuou como cenógrafa, figurinista e designer gráfico em diversos espetáculos, exposições, novelas e musicais - com indicação ao prêmio Bibi Ferreira. Participou de 5 edições da Quadrienal de Praga como colaboradora e designer. Desenvolveu o catálogo da Quadrienal de Praga de 1999 e apresentou a performance “A Famigerada”, na PQ 2015.

 

 

Rosana Rocha

Artista visual, cenógrafa, diretora de arte e educadora. Tem formação em Artes Plásticas pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Cenografia e Figurino pela SP Escola de Teatro e especialização em Arte-Educação pelo SENAC. Trabalhou como assistente de cenografia em projetos teatrais e expositivos no Espaço Cenográfico (São Paulo). Atuou como cenógrafa, figurinista e diretora de arte em diversos grupos de teatro e cinema. Participou da Mostra dos Estudantes do Brasil, na Quadrienal de Praga de 2015 e ministrou cursos e oficinas sobre Cenografia e Figurino, em São Paulo e Goiás.

 

 

Telumi Hellen

Formada em Artes Plásticas, Telumi Hellen começou a carreira no CPT com Antunes Filho e J.C. Serroni em 1987, onde atuou como figurinista e cenógrafa durante 11 anos. Depois trabalhou no Espaço Cenográfico, de JC Serroni, em São Paulo, ministrando cursos e oficinas, além de continuar como figurinista e cenógrafa em uma série de diferentes produções como teatro, musicais, óperas, exposições e outros. Ganhou os prêmios Coca-Cola e APETESP. Indicada ao prêmio Shell 2017 com a cenografia de "Dezuó", com o núcleo MACABEA, e para o Shell 2018, com figurinos de "Esperando Godot", com o núcleo GARAGEM 21. Participou de 7 Edições da Quadrienal de Praga, onde coordenou 4 exposições brasileiras na Mostra dos Estudantes e fez parte da equipe ganhadora da Triga de Ouro no ano de 1995, premiação máxima do evento. Tem participado anualmente na banca de figurinos da Faculdade Sta Marcelina de moda (SP). É artista docente na SP Escola de Teatro desde sua fundação em 2011.

 

 

Tiago Bassani 

Artista visual e professor do curso de Artes Visuais da Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB), onde também coordena o grupo de estudos Corpo-Matéria. Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Arte na Universidade Federal de Uberlândia (GRUPA/UFU). Criou cenografias e figurinos em produções de diferentes linguagens. Participou da Mostra dos Estudantes Brasileiros na Quadrienal de Praga 2015. Realizou exposições individuais e coletivas. Se interessa pelos processos de criação em diferentes plataformas como: performance, cenografia, vídeo e desenho, com a perspectiva para o corpo e suas ações possíveis nos espaços.

 

 

Viviane Ramos

Iniciou trabalhos na área de cenografia teatral no Espaço Cenográfico de São Paulo, como aprendiz do cenógrafo J.C. Serroni, onde trabalhou por 10 anos. Foi coordenadora assistente na pesquisa para o livro - "Teatros: Uma memória do espaço cênico no Brasil", de J.C. Serroni. Participou duas vezes da Quadrienal de Praga: como coordenadora de montagem da seção brasileira de figurinos, em 2003, e como orientadora na execução de adereços e figurinos no trabalho dos alunos do Espaço Cenográfico na Scenofest, em 2007. Trabalhou na FCR Produções Artísticas, como assistente do cenógrafo Luís Rossi. É artista docente no curso de Técnicas de Palco, na SP Escola de Teatro, desde a fundação do curso em 2011. Mantém seus trabalhos como pesquisadora, aderecista e diretora de arte para vídeo clipes e filmes de curta metragem.